o “novo”, de novo – ou, não dá pra ser esplendidamente simples?

Publicado: 1 de março de 2011 em Uncategorized

nos 80, quando uma canção atingia o riti pareidi, rapidinho produzia-se um clipe pra ela – e aí, pros mais sensíveis, ou menos toscos, dava-se o busílis: a maioria dos clipes destruía a canção de que se gostava tanto antes de ‘ilustrarem-na’, por exemplo, com uma chuva de esquilos que, durante o solo de uma melancólica guitarra, levava o vocalista a abandonar aquele jeitão blasé [obrigatório, à época] e verter uma – uma só, em close – espessa lágrima, ou sem um rinoceronte parado ao lado de uma loura tocando violoncelo [a loura, não o rinoceronte, que até o bisonho tem limites…] numa rua erma e embaçada pela neve, sem que isso tivesse a mínima conexão com o que a letra dizia.

e quer saber o pior?
a gente gostava…

mas, passado o tempo, o ridículo visual foi pras cucuias e muitas dessas canções preservaram o frescor, a beleza e, logo, o poder de inspirar – tanto que não pode ser coincidência que 97,13% do que se nos apresenta como o “novo” rock soem déja vu a um tipo que, nos últimos 28 anos, torrou toda a herança que nunca vai receber em LPs, CDs, vídeos, DVDs, revistas especializadas, zines, livros e o escambau ao cubo – e, depois, vendendo tudo em sebos, pra pagar 1/3 do papagaio levantado junto ao banco pra saldar o rombo provocado pelas loucuras que fez pra manter um tipo de paixão que, ao contrário de todas as demais, nunca acaba; ao contrário, só aumenta…

nada contra, cultura pop tem mais é que ser antropofágica mesmo.
só me entedia é essa urgência do “novo”, tão cara a um mercado decadente – e a gentes idem, que não se dão conta de que o seu adicto pelo “novo” é um troço tão comédia quanto aqueles parentes e amigos dos seus pais que, em aniversários e festinhas afins, sem que ninguém lhes pergunte picles, ficam lambuzando as oiças dos comensais com aqueles babas de “tenho tantos anos, mas sou jovem aqui, ó [e toc, toc, dedinho na cachola, seguido daquele semblante tipo pimpão]”…

pra quê isso, cazzo? – me pergunto.
não basta sê-lo, deixando que as gentes, pelas idéias e gestos do outro, constatem isso? afinal, a legitimidade, no time de características da personalidade humana, é o zagueirão [e do tipo ‘de roça’], ou seja: logo aos 30s do primeiro tempo, você vai sentir as travas de suas chuteiras em algum ponto entre a testa e o tórax.

depois de muita leitura de Bukowski, Hunter S. Thompson, H. L. Mencken, Ivan Lessa e Veríssimo, tem-se, além daquele imensurável prazer que as canções pop mais perfeitas nos causam, a compreensão de que a coisa mais valiosa nessa vida é a concisão, ir direto ao ponto nas coisas, na veia das bichas.

dito isso, foda-se o novo.
na cultura pop, como em todas as demais, a única coisa que se pode chamar de ‘novo’ é o público para o qual o mercado precisa vender mais do mesmo, só que com outra embalagem.

existem as canções que nos agradam – e que sempre agradarão – e as que sempre nos farão preferir atravessar espetos nos tímpanos…
só e fim.
todo o resto é propaganda disfarçada de matéria em caderno cultural, ou, ainda pior, papo de crítico querendo ganhar uma boquinha na turnê do novo da vez.

o ‘novo’ clipe de radiohead, tão insensado [tédio…], é uma variação dessa antropofagia: nada de novo, sonoramente, mas, para uns e outras pelaí, ver o thom yorke pagando de dançarina de axé em furiosas crises de bipolaridade não pareceu somente isso – além de um pretensioso [como sempre] auto-plágio -, foi o que bastou para, entre sussurros e gemidos de “o novo radiohead…”, ensoparem calcinhas e cuecões…

dá até uma vontadezinha de provocar, dizendo que o gozo se dá não porque radiohead apresentou algo de novo, como já li uns e outras pelaí dizerem, mas apresentou, de novo, o que tod@s querem escutar – de novo e sempre [e a grande mágica das boas canções é mesmo essa, que nos iguala às crianças que adoram um certo desenho a ponto de assisti-lo duzentas e dezenove vezes em uma semana…].

mas a vontade de provocar passa logo, quando penso na quantidade de pseudos análises técnicas e teóricas que ouvirei, na vã tentativa de junkies do novo justificarem a adoração e, mais que tudo, a manutenção de sua pose de indie – independente de quê [de quem], bwana? –, um dos anacronismos mais bizarros da cultura pop, considerando-se que o clubinho só faz aumentar, o que extermina a ‘exclusividade’ que se pretende aparentar…

não dá pra simplesmente dizer que gosta de ouvir as canções?
simples, esplendidamente simples, assim.

caso dessa aí, abaixo, que eu adoro – esse violão base, esse baixão… – , apesar do crocodilo na piscina e, céus!, dos mullets do camaradinha…

Anúncios
comentários
  1. pedro domingues disse:


    os arranjos dessa banda são a prova de que radiohead nunca foi novo!

    “furiosas crises de bipolaridade”

    quase me mijei de rir!
    esses indiezinho tem é que ir todos tomar nos seus respectivos cús… e que a música boa continue. muito bem dito, não aguentava mais gente falando que o thom yorke dançando era a 8ª maravilha…

    tenho pensado muito em ti mestre pirata, to morando aqui no sul de novo, logo eu volto pra ai, é melhor ta perto dos amigo sempre…

    abração.

  2. pop dropz disse:

    tovarich Piotr!!!
    imensíssima alegria em ter notícias – e visitinha – tuas, queridaço!
    não é, digamos (na falta de palavra melhor), ‘interessante’ esse conceito de “indie” ignorar, há, no mínimo, uma década, que todas – repetindo: TODAS – as gravadoras, sentindo o cheiro dos cobre$, tenham criado seus selos “indies”?
    me mijo de rir tbm disso.
    e, meu, essa banda alemã, quando descobri – totalmente por acaso -, pensei: enfim, algo de minimamente novo na música contemporânea. corri atrás, aí descobri: a banda começou em fins de 60, início dos 70… póim (sonoplastia vagabunda para uma mente idem…)
    voltando, apareça, por favor. saudade imensa. bjoK

  3. Halem Souza disse:

    Cara, eu também fui destes que torrou grana com cultura pop e depois foi obrigado a vender os bagulhos pra tentar salvar algum…hehehe…Antropofagia quase suicida, eu diria.

    Esse negócio do “novo” dá mesmo nos nervos, sobretudo nessa era de hipercomunicação. Penso eu que, desde o século XX, a noção de “originalidade” modificou-se completamente.

    Agora, duro é aguentar gente que coloca “prazo de validade” nas canções e nas bandas! “Nossa, você ainda escuta Black Sabbath!”, dizem eles. Claro: prefiro ouvir “Snowblind” a qualquer outra musiquinha dos Linkin Parks da vida. Concordo inteiramente com você: “existem as canções que nos agradam – e que sempre agradarão – e as que sempre nos farão preferir atravessar espetos nos tímpanos…”

    Um abraço e bom retorno à blogosfera!

    • pop dropz disse:

      Professor Halem, talvez, penso, o único ‘suicídio’ que injete vida nos lôco…rs…

      poucas coisas me parecem tão lavoisieranas quanto a cultura pop.

      baita abraço, compay!

  4. henrique disse:

    Ótimo. Tô procurando um troço que escrevi há mais de 10 anos pra postar no como ser eu e fazer referência a esta postagem, pra lá de oportuna. Sério, hoje em dia, o novo que mais me motiva é o velho que os moderninhos, os antenados deixam de lado sem nem olhar.
    Quanto a clipes e mullets, dá uma olhada nesse do linque. Adoro a música, mas as imagens são nada a ver e o cabelinho do Paul Young, valei-nos!

    • pop dropz disse:

      comendatore Ghidetti, pra mim, vc foi na essência: foda-se tudo mais, viva o que me (nos) agrada – e, claro, viva a concisa lealdade (a si próprio, mais que tudo) em legar tudo ao sensorial, e, de novo, foda-se (agora, o racional, ou necessidade de ser pimpão…)

      ps – agora, realmente, mullets é uma bagaceira só…

      aquele abraço

  5. vais disse:

    Salve, salve, Marcelo,
    é só pra dar as saudações da nova caxanga, pois demorarei os olhos por aqui mais tarde.
    beijinhos pra tu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s